Conheça 9 alimentos que são "falsos saudáveis" na dieta das crianças
  • Conheça 9 alimentos que são “falsos saudáveis” na dieta das crianças

    alimentos falsos saudáveis dieta crianças
    alimentos falsos saudáveis dieta crianças
    Photo by Providence Doucet on Unsplash

    Ao tentar oferecer uma alimentação saudável para as crianças, muitas pessoas acabam caindo na armadilha dos “falsos saudáveis”, alimentos que parecem inofensivos mas que, na realidade, não são muito benéficos para a saúde.

    Segundo a nutricionista Gabi Lodewijks, muitos alimentos que parecem inofensivos são ricos em gorduras ou substâncias químicas que aumentam a ingestão calórica. Além disso, geralmente tudo que vem em pacotes, sacos, latas ou qualquer tipo de embalagem tem algum conservante. “Muitos alimentos contém açúcar na sua lista de ingredientes, pois ele serve tanto para dar sabor quanto como conservante. Basta ver a data de validade e pensar que nenhum alimento dura 1, 2 anos sem ter algum conservante, não tem como”, diz.

    LEIA TAMBÉM:
    Saiba quais frutas estão na época em agosto e aprenda uma receita de musse de cacau com frutas para fazer para as crianças
    7 dicas para melhorar a alimentação das crianças

    3 motivos para revestir sua cozinha com porcelanato


    Para a nutricionista, tudo é uma questão de
    equilíbrio. “As crianças podem comer de tudo, mas a base precisa ser a mais pura possível, e evitar desde cedo alimentos industrializados. O idela é apostar em frutas e legumes, o mais variado possível”, diz Gabi Lodewijks.

    Conheça alguns alimentos falsos saudáveis que são comuns na dieta das crianças:

    1 – Bolacha maisena
    Basta ler os ingredientes: farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico, açúcar, gordura vegetal hidrogenada, açúcar invertido, amido, soro de leite, sal, fermentos químicos bicarbonato de amônio, bicarbonato de sódio e piro fosfato ácido de sódio, emulsificante lecitina de soja, aromatizante e “melhorador” de farinha metabissulfito de sódio, aromatizador artificial.

    “Muita gente acha que a bolacha e inocente mas não é . Não precisa fazer parte de uma alimentação infantil”, diz Gabi Lodewijks.

    2 – Sucos industrializados
    Eles são riquíssimos em açúcar. Um pacote/garrafa contém mais ou menos  25g a 29g de açúcar em um copo de 200ml. Isso significa 2 colheres de sopa de açúcar em apenas UM copo.

    Caso uma pessoa consuma um copo por dia durante cinco dias da semana, ela vai consumir mais ou menos  7 colheres de sopa ou 145g de açúcar, apenas vindo do copo de suco. “Fora o que ela consome durante o dia e não sabe que tem açúcar no meio”, diz a nutricionista. “E muitas pessoas consomem mais que um copo por dia ou dão aos filhos vários copos de suco por dia ao invés de água”, afirma.

    3 – Gelatina
    Apesar de parecer um alimento leve, a gelatina não deixa de ser um alimento processado, que possui conservantes, corantes e açúcares em sua composição. Em crianças, o consumo exacerbado pode levar ao desenvolvimento de problemas gástricos e até alergia.

    4 – Barra de cereais
    Esse snack pode esconder gorduras e açúcares na composição, em especial os com cobertura de chocolate.  Mais uma vez, a nutricionista aponta que é preciso ter atenção ao rótulo. Nas barrinhas mais saudáveis, cereais e oleaginosas devem ser os primeiros da lista. Para verificar os açúcares procure por nomes como xarope de glicose, glucose de milho, açúcar invertido ou maltodextrina. “Optar por um mix de frutas secas pode ser uma saída melhor para o lanchinho da tarde”, recomenda Gabi Lodewijks.

    Uma outra ideia para substituir esse tipo de alimento é servir pipoca como lanche – feita em casa, não daquelas que vêm em pacote para fazer no microondas. Uma boa medida é uma xícara de pipoca como lanche (dela já pronta).

    5 – Granola
    Caso o cliente não preste atenção em qual granola está comprando, pode cair em uma pegadinha e consumir mais açúcar do que gostaria. “Compre versões sem compostos cristalizados. Além disso, a granola de boa procedência possui grãos e sementes em maior quantidade”, recomenda Gabi.

    6 – Açaí
    O açaí in natura é um ótimo alimento, muito calórico mas também rico em antioxidante, contribui para o bom funcionamento do intestino e ajuda a diminuir o colesterol. Depende da forma como for consumido e quais combinações fazemos com a fruta.

    No açaí industrializado costuma ser adicionado xarope de guaraná para adoçar, conservantes e  gordura vegetal.

    Usar a polpa pura batendo com água e banana deixa uma consistência ótima e mais saudável. É possível optar também pelas massas orgânicas.

    7 – Pao integral
    Mais uma vez, atenção ao rótulo. Por não haver legislação que regule quando de fato um alimento é integral ou não, muitos pães ditos integrais vêm com farinha branca em maior quantidade. “Quando for comprar, a farinha integral deve ser a primeira da lista, o que significa que é o ingrediente em maior quantidade no produto”, diz Gabi.

    8 – Peito de peru
    Mesmo pouco calórico quando em comparação com demais carnes, o peito de peru não deixa de ser um alimento embutido e, portanto, rico em sódio, corantes e conservantes.  Duas fatias médias podem conter até 500 mg de sódio, 1/4 do valor diário recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

    9 – Cereal de flocos de milho
    Os flocos consistem principalmente de milho, o que significa que as calorias vêm majoritariamente dos carboidratos. Por 100 gramas, não há menos que 84 gramas de carboidratos. Além disso, os flocos de milho contêm cerca de 3 gramas de fibra por 100 gramas. Não é muito, considerando que o indicado é consumir pelo menos 30 gramas por dia.

    O produto também é decepcionante com as proteínas e gorduras. Ele contém 1 grama de gordura em 100 gramas de flocos de milho, sendo que a maior parte é saturada, e 7 gramas de proteína por 100 gramas. Além disso, são alimentos calóricos: 380 calorias por 100 gramas, dependendo da marca.

  • Back to top