Projeto da USP usa gamificação para melhorar aprendizado de crianças com autismo - Cabeça de Criança
  • Projeto da USP usa gamificação para melhorar aprendizado de crianças com autismo

    Projeto da USP usa gamificação para melhorar aprendizado de crianças com autismo

    A pesquisadora Laíza Ribeiro Silva, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP), apostou no conceito de gamificação para melhorar o aprendizado de crianças com autismo e criou quatro protótipos de atividades digitais. Segundo o G1, o projeto foi aplicado na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Carlos, com quatro crianças com idades entre 7 a 12 anos.

    LEIA MAIS:

    Ciente da atração natural das crianças com autismo por tecnologia e da carência de ferramentas adequadas para o aprendizado desse grupo, a especialista procurou alternativas para contribuir para o aprimoramento das habilidades de aprendizagem dessas crianças. Segundo Laiza, aplicações gamificadas podem possibilitar que o aprender esteja ligado ao brincar, tornando as atividades envolventes, principalmente para as crianças.

    Dois meninos e duas meninas, com diagnóstico de transtorno do espectro autista moderado, experimentaram os protótipos durante várias sessões por meio de um tablet. Em um primeiro momento, as crianças usaram um modelo de treino até passarem aos jogos que tinham como objetivo transmitir conteúdos de alfabetização.

    Da aplicação prática, a pesquisadora encontrou indícios de que, quando as crianças usavam o protótipo com elementos de jogos, havia melhoria no engajamento e na aprendizagem. Laíza disse ao G1 que a gamificação pode “contribuir para que crianças autistas se envolvam nas atividades educacionais propostas ou se concentrem mais para realizá-las, produzindo, por consequência, benefícios de aprendizagem.”

    Para demonstrar todo esse potencial das atividades digitais lúdicas na aprendizagem de crianças com autismo, a pesquisadora afirma ser preciso fazer mais estudos aplicados com um maior número de participantes, por mais tempo e envolvendo mais instituições.

  • Back to top